e suas falácias.

poetinha cretina, sobrevivente nas horas vagas. viver e sentir, falar só se sobrar tempo. o tempo transborda e inunda toda parte. as horas correm soltas, pena que as mentiras têm pernas curtas e já não as encontram mais. Estudante de psicologia no tempo que não sobra, gosta mesmo é de criar coisas que ninguém precisa mas que todos gostariam de ter, uma ode ao mundo moderno. Desde de 2006 documenta suas falácias em um caderninho de capa dura que carrega sempre consigo, desde de 2008 as digitaliza.

Ela sorri: assinale verdadeiro ou falso. Se puder.