sexta-feira, 13 de setembro de 2013

nao consigo te fazer poema nem verso
nem linha nem nota
nem letra nem música
nem artigo
só indefinido...

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

no fim das contas nosso amor não passou de origami de papel levado ao vento, sempre prestes a ser amassado. frágil e tão destrutível. como aquele livro que tu me deu um dia, em uma língua que nunca vou ler sobre algo que eu nunca vou saber fazer bem, você ama me torturar com a ideia de que eu não vou ser o bastante. mas hoje eu sei que eu sou demais. demais pra você.