sábado, 23 de abril de 2011

fantasias

por tempos evitei a culpa de ser eu mesma, evitando sorrisos e passeios noturnos, evitando opiniões e vontades que você não aprova. de fato, eu evitei teu desapontamento com mentiras e tatuagens escondidas, com garrafas de whisky e poemas que você nunca leu. evitei tua decepção ficando fora de 7 às 7, escrevendo de madrugada e acordando sempre atrasada. não que você notasse. eu quis ser todas as coisas do mundo que você disse que eu poderia ser, mas só pra você. descobri que não era o bastante. sou cheia de desculpas, de justificativas, na fantasia onipresente de que um dia serei tudo o que alguém sempre quis. não era o bastante.






não porque eu não fosse boa atriz, mas porque os holofotes nunca estiveram em mim. não porque eu não fosse boa atriz, mas porque você de fato nunca esteve na platéia. hoje sou meia dúzia de coisas, mas sou todas elas legitimamente. sou todas pra mim. e se você gostar, pode ter algumas pra você, fique à vontade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca