segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

contas de janeiro

certas pessoas possuem um efeito homeopático na minha poesia e na minha palavra, algumas pessoas me deixam doce. outras só me deixam. e tem aquelas que me deixam e me deixam amarga. aquelas que ficam e me fazem ficar doce. ou ficar amarga. ou só ficar mesmo. no fim das contas é coisa que eu não posso e nem quero evitar: eu gosto de gente.

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

da escrita

eu te olho com os dedos, te provo com os olhos e te escrevo com a língua. nas cordas, nas teclas, nas ondas e nas redes.

sábado, 15 de janeiro de 2011

laugh laugh

i nearly died

3 outra vez, eu gosto de ser de madrugada. já não lembro muita coisa, já não lembro do teu cheiro.




do que eu tava falando mesmo?

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

eu não faço a mínima idéia
você não faz o mínimo sentido
nós não fazemos a mínima questão

mas é tudo o máximo.

desculpa mas eu gosto que voce gosta de mim.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

corram para as montanhas

pra quem vive de escrita e rascunhos não há nada mais natural que admirar os ________________ ______ _ _____ _ ____ __ _____ ____ ___riscos.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

brasil

existe um rosto por trás das palavras, duas mãos que digitam quase simultaneamente, numa ânsia de não deixar um silêncio sequer pairando no ar: tic tic pec pec pec espaço pec pec tic, com as unhas pintadas de verde água - ou seria azul piscina? esses dedos por trás dos esmaltes escolheram a cor mais indefinível por reflexo do gosto por tudo e a vontade de abraçar um mundo de possibilidades - mesmo que fossem só cores de esmalte.
o sorriso tímido que aos poucos vai se exibindo, as risadinhas sem graça mas espontâneas. ah, foram anos de prática! o rosto espera pelas primeiras marquinhas de expressão, marcas de alegrias passageiras mas constantes denunciadas nas rugas. Engraçadinha! algum outro carinha diria que ela é esperta, e que ninguem gosta de gente esperta. Ela, no entanto, criou um gosto peculiar por gente honesta.
Adora chocolates belgas, foi introdzida à filosofia grega, andou quase uma américa do sul toda, sentiu o mal das alturas, bebeu com os ingleses, falou dos moinhos e das flores holandesas, citou Foucault e Beauvoir, tomou banho de rio, tem um ritmo peculiar percorrendo seu corpo e ainda se aventura em outras línguas. ela só podia ser brasileira...