sexta-feira, 6 de agosto de 2010

diário

o clima seco outra vez como se fosse 2006 pela segunda e última vez, a juventude de certa forma me escapa entre os dedos mais rápido do que eu poderia imaginar. não quis acordar hoje, você foi tão amigável não só nos sonhos mas também, na realidade, você não tem sido nada mal. eu que estava no vazio senti você me colocar no chão, sem beijos ou abraços, um amor louco. escondi dezenas de fatos de você, mas não te importa nada enquanto eu ainda guardar em mim algo do que eu fui: falando besteiras, rindo alto depois da meia-noite, dançando nos shows de rock. quem é de lua entenderia.

ninguém entende como posso guardar tanto amor e carinho em um só peito. eu não entendo como eu poderia guardar tanto rancor em um peito. tenho a mais plena certeza que meus amores nunca morrem, só descansam, porque sinto ter o maior coração do mundo. você me deu o melhor abraço de todos esses dias, meu coração bateu de novo como se fosse 2006. e eu soube que nunca tinha deixado de te amar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca