quinta-feira, 20 de maio de 2010

ignorando as grades de proteção (cont.)

(...) hoje já não penso em todo o tempo que perdi, só creio que não há desperdício em questão de juventude. ela citou chico buarque, eu citei ferris bueller: "a vida passa muito rápido e se você não parar pra dar uma olhada de vem em quando, você pode desperdiçar ela". As mães sorriam para ela, as mães condenavam minha infâmia e vulgaridade, minha vaidade. Eles perdiam madrugadas inteiras pensando nela, eu era tão entediante que os fazia dormir. Ela bebia socialmente e só falava de social, eu fazia jus aos tempos de marinheiro do meu pai e contava piadas sujas. apesar de tudo o rio de janeiro e a baixada fluminense ainda corriam em meu sangue, cada curva do meu corpo dizia samba, caipirinha e churrasco. As mães não gostavam de mim, mas eu não ia diminuir o volume dos meus versos e das minhas canções para não me sentir mais deslocada: adicionei em post scriptum um foda-se em letras garrafais, como sempre transgredindo as normas da ABNT. Eu não ia permitir que a mediocridade me diagramasse em letras de notas de rodapé, eu não venderia meu ouro por preço de pirita.

3 comentários:

  1. dá um trabalhão ficar mudando de modo de ser...melhor ser assim....

    ResponderExcluir
  2. Num mundo em que todo mundo acha algo, qualquer coisa, a toda hora. Num mundo em que vagais vasculham palavras com algum significado pra classicamente descolorir a madrugada mal-iluminada, como eu. Num mundo desses a vida nos torna céticos; e o ceticismo intolerável. Credito que não existe vida de verdade pra quem não sabe berrar, na profundesa das entranhas, esse foda-se em letras garrafais. Sensacional seu blog.

    ResponderExcluir
  3. Num mundo em que todo mundo acha algo, qualquer coisa, a toda hora. Num mundo em que vagais vasculham palavras com algum significado pra classicamente descolorir a madrugada mal-iluminada, como eu. Num mundo desses a vida nos torna céticos; e o ceticismo intolerável. Credito que não existe vida de verdade pra quem não sabe berrar, na profundesa das entranhas, esse foda-se em letras garrafais. Sensacional seu blog.

    ResponderExcluir

deixa tua marca