segunda-feira, 10 de maio de 2010

(...) talvez eu nunca toque o céu outra vez. e eu não sei mais se é revolta ou se é comodismo, mas a vida segue de um jeito imperceptivelmente falho. e meu peito arde e se revira procurando algo que eu estava salvando bem no fundo pra esses dias livres. e eu percebo que das duas partes que eu sou, só uma pode ficar.

e eu sei qual é. é exatamente a mais covarde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca