segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

tem fogo?


o dia começou às 4 da manhã embora ela tenha tentado arduamente adiar isso, o pôr-do-sol estava distante, provavelmente ainda do outro lado do continente. "morrer é fácil, viver é difícil. e mais difícil ainda é morrer e deixar morrer". enquanto as lágrimas contavam as horas infinitas até o primeiro raio de luz que anunciava a vida nova - mais que fogos de artificios e champagne.
o tempo era duro, o futuro parecia cada vez mais abreviado; quis escrever o mundo todo em uma dúzia de palavras, talvez fosse seu crime. o calor estava implacável aqueles dias, tudo era e tinha mais sentido. ela não esperou que ninguém lesse a correspondência sem destinatário, mas o vento certamente deve ter levado sua melancolia com a leveza que carrega uma pluma em direção aos oceanos... as buscas por futuros resultavam em passados, e seus olhos à prova de balas ainda tinham suas fraquezas.
não demorou muito até se sentir patética outra vez, abandonara o gosto refinado pela literatura e a gana de estudar por uma preguiça descomunal e sem vergonha que davam a todos os dias tempero de domingo. havia sete dias que ela não saía de casa para nada, seu inglês praticado consigo mesma pelo menos melhorava. nada digno de poliglota, mas comunicável. ela se satisfez rápido. era assim com quase tudo já fazia algum tempo: 'hm, não existe inibidor de apetite pra alma', ela sorriu para a mãe.
o dia começou a escurecer outra vez, e, de novo ela não vira o sol. e continuou se sentindo patética, sem final nem feliz.

2 comentários:

  1. "Now the darkness only stays the night-time
    In the morning it will fade away
    Daylight is good at arriving at the right time
    It’s not always going to be this grey"

    ResponderExcluir
  2. all things must pass :) must pass away...

    ResponderExcluir

deixa tua marca