quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

rascunho


e quando a ausência dá forma a presença como na dança dos rastros negros que o lápis deixa no seu contato com o papel - fruto do atrito, coisa da física - é que a presença de todas as cores, o branco, ganha forma e nome.
e mesmo no papel a presença só parece ter beleza sob o abraço do nada absoluto: sem a ausência não há história alguma.
os românticos me dirão que falta a arte final com as cores, eu direi que a idéia de perspectiva basta, ainda que em branco e preto. a mim me bastam os rascunhos, para que cada um complete da maneira que bem quiser, nas entrelinhas.

Um comentário:

deixa tua marca