segunda-feira, 16 de novembro de 2009

one in a million


e se não fosse amor, que seria então? que seria dos fins de noite, dos toques de celular, dos outros toques que o tato bem conhece? antes de tudo a expressão de homem com a fragilidade de um menino que já bem vi, as mãos firmes, o cheirinho dele. às vezes as coisas acontecem bem ao contrário, mas a gente sabe que vez ou outra o passado é uma montanha de lixo.

o fato é que quando uma estrela cadente passa, mesmo quem não é supersticioso acaba fazendo um desejo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca