domingo, 13 de setembro de 2009

arquiva



encontrei as fotos, os diários. fui assombrada de novo pelo espírito dos anos passados, das relações passadas. semanalmente - da maneira como programei - minhas lembranças são arquivadas aqui. é pouco tempo, ou tempo demais. a maioria das pessoas que conheço estão passando por aquela parte da vida de fechar um capítulo, um livro. em meio a todos esses fins de semana, de época, não posso evitar me questionar: será que é uma onda de falta de pontuação correta, será desígnio do céu ou será que somos jovens demais pra sermos bem-resolvidos?

nos princípios de arquivologia certa vez eu li que há períodos dependendo do conteúdo do arquivo e que aqueles que fossem úteis ao nosso contexto deveriam permanecer em uma locação próxima a nós. arquivo corrente. e que as cópias virtuais deveriam sempre ter um backup. os arquivos velhos demais deveriam ser incinerados para que dessem espaço para coisas mais funcionais.

fiquei pensando naquelas manias que as pessoas tem de guardar minúcias de relações mortas e não enterradas, detalhes vãos como papéis de balas, recados em uma página virtual. aquelas memórias que insistem em passar na cabeça durante uma aula chata - coisas de ponto final que acaba virando reticências. ou de vírgula mal colocada.

a vida seria bem mais funcional se seguisse os princípios da arquivologia. até eu seria mais funcional se seguisse os princípios da arquivologia, mas com certeza eu seria bem menos artística. quando o assunto eram lembranças, eu ainda não conseguia saber quanto tempo era necessário para se incinerar um arquivo - ou realocá-lo junto com os papéis de rascunho.
será mesmo que somos jovens demais pra sermos bem-resolvidos?

Um comentário:

  1. Bom demais!
    Acho que o lance são os erros na pontuação...

    ResponderExcluir

deixa tua marca