domingo, 2 de agosto de 2009

matemática


quando dividi a mim mesma, em metades desonestas, desiguais, conclui que o que me sobra não dá mesmo pra tirar em prova real. o-missões marcadas na pele, mas ainda mais, no coração e na memória me fazem crer que não há nem o que me some: eu realmente me parti quando parti, em duas partes, que nao podem habitar nem o mesmo quarto. e nem o mesmo co(r)po.

mas posso te confessar uma coisa, meu bem? ainda tenho espaço e sinais pra muita conta que nao foi acertada...

2 comentários:

deixa tua marca