segunda-feira, 6 de julho de 2009

vagalumes

acabara a noite mais longa de todas. lembrou da madrugada em que pediu-lhe um beijo que a noite ia ser longa - ela nunca errava. nele, aquele, ficavam as marcas de seus traços mais perfeitos, de suas palavras mais leves, de suas canções mais sinceras - as primeiras: (...)
eu te amo, ela disse. eu quero que tu sejas feliz, ele respondeu com boas intenções na falta de um bom amor. ele lhe pediu mais uma coisa. ela consentiu com tudo.

enquanto isso, entre seus dedos brincavam as memórias de vagalumes naquela noite tão escura que durara praticamente 5 meses. antes que suas palavras se perdessem, antes que seu brilho pudesse se extinguir pela falta de oxigênio ela foi forçada a sair da redoma e respirar um pouco de mundo. e isso a fez sentir bem.

obrigada : )

Um comentário:

  1. Fernanda! (Vai dizer, só eu e seus pais te chamam assim)

    Po, to morrendo de saudade da galera, mas principalmente de vocês duas. Pelo jeito, como sempre, tudo deu certo para vocês duas (Vc e Mana Martela). Brasília ficou tão cinza sem vocês que até eu to indo embora daqui! Hehehe. To já de pré-férias e to treinando muito com meu violão! Teoria dos Solos agora. Hehehe.

    Se um dia você lagar a UnB, eu vou entender, mas perder alguém como você da minha vida? Jamais! Hehehe. Quando você voltar, teremos muita M! para contar um para o outro. Já tenho algumas para vocês, mas hoje eu to de docê e to cheio de trabalho para fazer. Fica para amanha.

    Amanha eu vou te visitar aqui denovo. Seu blog já tá nos favoritos, isso pq só tenho 2 blogs na lista (O meu e o seu). Você escreve bem demais! Bjus

    ResponderExcluir

deixa tua marca