sábado, 27 de junho de 2009

a infância é fácil

... as coisas que voce quis, comprei todas para você. rapaz sem graça, voce sabe quem eu sou e voce também sabe que eu nunca pude te deixar escapar por entre meus dedos.


sei que te idealizei como um pecado e uma mentira


eu vou sentir uma falta miserável dos teus risos escrotos, da tua companhia em fim de tarde, da tua vida desregrada que me incluía como rotina. vou sentir uma falta miserável da tua conversa intelectual e engraçada, da tua ironia tão inteligente, do único ombro no mundo inteiro que provou o gosto das minhas lágrimas. vou ainda sentir uma falta miserável da confiança, de ter quem me carregar entre um porre e outro, de ter quem me diga vai ficar tudo bem, fê, tá tudo bem. os bons morrem jovens, é o que dizem. e nós éramos bons.

agora eu tenho minha liberdade, mas não tenho muito tempo




caminhei então pelo aeroporto, sem malas, mas com milhares de respostas. esse é o fim, o nosso fim, você diria então. os bons e os maus tempos, como diria o led zeppelin, quando nós dividíamos tudo e não nos importávamos quando tua mulher te deixava. o fim de uma época inteira, o fim da era de aquario.
nenhuma saída devastadora ou as linhas de bastidores poderiam me fazer sentir amarga ou te tratar mal.
mas o vôo já estava longe.
vamos viver depois da nossa morte.
[Wild Horses, Rolling Stones]

2 comentários:

  1. Que texto legal!

    Também gostei do visual do blog!

    Parabéns!

    Abração!

    Pedro Antônio

    ResponderExcluir
  2. Mas nem a distância supera a intensidade do que há entre vcs!Nem se ele fosse pra Madagascar!
    Quer dizer,se nós estivermos falando da mesma coisa...

    ResponderExcluir

deixa tua marca