domingo, 31 de maio de 2009

glicose


de repente era tudo branco, as paredes, o chão, minhas lembranças.

'onde eu estou?' perguntei com a voz ainda vacilante, era tudo branco, mas o aroma de éter não dizia nada de paraíso. meu pulso doeu, notei a presença de uma agulha na minha mão.

'voce está bem, fernanda?' a mulher de branco perguntou. não parecia um anjo. eu não tinha morrido.

'acho que sim. acho.' e apaguei de novo.

2 comentários:

  1. À certos momentos que precisamos de desligar um pouco deste mundo, para parar de ver tanta miséria.
    Gostei do texto.
    Beijodo

    ResponderExcluir

deixa tua marca