sábado, 16 de maio de 2009

da inseminação artificial.


meu amor agora é frágil, ao mesmo instante em que nem todo o álcool do mundo me entorpeceria da verdade única, trivial, mas absoluta: eu quero - mas não posso. lembrei da vez última que você me banhou com teu olhar ingênuo de mim, queria eu ter me afogado convulsivamente. senti teus braços modelando os pedacinhos de amor despedaçado em um abraço forte, derradeiro e decidido. e então você arrematou com um beijo, mesmo sabendo que nós precisávamos ir embora - para lugares diferentes, claro. e eu pude então, descansar em paz.

você me deu uma nova vida.

2 comentários:

  1. Cada dia mais profunda, mais intensa.. mais jujuba.


    Saudade disso aqui. Beijo, flor!

    ResponderExcluir
  2. eu posso mas não quero. odeio meu orgulho besta que não vale 1/4 de real.

    ResponderExcluir

deixa tua marca