domingo, 19 de abril de 2009

palavras


(...)certamente não sou nenhuma das minhas palavras, mas me imprimo com tanto sentimento em cada uma delas, que estou em suas mãos se te escrevo uma carta de amor. Se me ler, não procure nas entrelinhas que elas são em branco, me sinta em cada vírgula mal-colocada, em cada neologismo, em cada metáfora. (...)assim como voce não deve procurar a vida na própria vida, te digo que não me procure em mim mesma, mas em tudo aquilo que me rodeia e - principalmente - me faz rodar (...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca