sexta-feira, 3 de abril de 2009


o sol se pondo em algum lugar do instituto central de ciências desenhando um trilho de ouro na estrutura de concreto, os corredores vazios anunciando as não-aulas. hmmm, aquele calor pós-chuva de verão acompanhando uns alívios estranhos. algo que os tolos chamariam de liberdade, algo que ela chamaria de prisão.

mesmo de olhos fechados ela viu as nuvens negras se dissiparem, e dessa vez não era na superfície de um whisky que custava mais que toda sua verba para a sobrevivência semanal. o outono era mais verão que qualquer outro verão que ela vivera, era mais primavera que qualquer primavera mesmo, era mais claro que qualquer outro dia cinza.

suspiro.

ela nem o viu ali. 'ei, onde fica o pôr-do-sol?' ele perguntou.

suspiro. suspiro. suspiros.

ela se desmanchou em sorrisos. 'fica no fundo dos meus olhos, na palma da minha mão.'

Um comentário:

deixa tua marca