sexta-feira, 10 de abril de 2009

mais uma dose

de repente ela se viu demais naqueles olhinhos castanhos quase claros, se viu demais naqueles cabelos, se viu demais nele todo. mas o que ela queria mesmo era se ver nos braços dele, embora soubesse que ainda tinha a mesma natureza alcoólica de sempre. traiçoeira, volátil, volúvel. imprevisível.
e não que isso fosse ruim, mas ele simplesmente era fraco demais pro álcool.

2 comentários:

  1. 'não bebe do copo. bebe de mim, bebe eu...'

    ResponderExcluir
  2. Olá, grata pela visita. E pelo elogio, escrever é sempre bom... Quando se tem alguém para gostar, acho ainda melhor. E o teu texto, muito do bom por sinal, me fez lembrar de um amigo querido, fraco para bebida que só. Adorei, beijos, FF.

    ResponderExcluir

deixa tua marca