quinta-feira, 12 de março de 2009

começar

... e que o recomeço não me leve ao mesmo fim. mesmo que o meu fim ainda seja o mesmo. amem.


e entao ela se reescreveria nas entrelinhas, as mãos trêmulas que temem o erro guiadas pela coragem que almejam o acerto. ela sabia que eventualmente iria querer explodir tudo, queimar cada circunstância, transformar em cinzas qualquer coisa que não se encaixasse. o momento era agora, mas a vida era pra sempre. e o presente era estar numa montanha russa com os olhos vendados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca