quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

nove vidas.

'In a daze
In the throws of emotion
You see God in the Devil´s eyes
Then you fall so far from grace
You wouldn´t know a kiss
If it was on your face
you can tell it to the jury
But you ain´t got no case' Ain't that a bitch, Aerosmith.

era tarde, o sol forte. ele a viu andando pelo corredor, como sempre distraída, admirando as sombras que se desenhavam pelo prédio. ele sempre teve certeza de que ela estava no curso errado, devia estar estudando arquitetura ou desenho industrial, junto com os outros desenhistas talentosos e cheios de glamour como ela. ela não tinha nascido pra psicologia, mas fazia aquilo parecer sua vocação desde que nasceu.
'a gente podia ter sido feliz' ele murmurou quando ela passou na sua frente.
ela parou. um grito não a teria parado, mas o soar da palavra feliz a fez sentir um arrepio na espinha.

ele prosseguiu. 'voce era o que eu estava esperando, sabia? era tudo preto e branco, e voce era colorida. a gente teria sido feliz.'

'voce não é feliz?' ela fez uma cara de preocupação engraçada, daquelas de mãe.

'sou.'

'entao corta essa. tá tudo legal.' ela voltou a sua posição, brincando com o casaco amarrado em sua cintura.

'entao deixa eu reformular: voce teria sido feliz.' ele ainda não tinha a olhado nos olhos.

'já disse pra cortar essa. voce teria pirado. e eu sei que não é meu cabelo, meu batom vermelho e nem meus quilinhos a mais. até a shakira acha que tem quilinhos a mais.'

'entao é o que?' ele queria saber, nem ele sabia.

'eu sou tipo o caminho dificil. voce ia ver muita coisa que voce nao gostaria até chegar no lugar bonito de destino, e voce nao aguentaria. não sou eu, é meu estilo de vida.' ela completou didaticamente, cheia de metaforas.

'uh, seu estilo de vida' ele parecia revoltado. 'voce não bebia uma gota de alcool, voce era só uma menininha arrogante com doces na bolsa, voce só tinha 17 anos.' ele concluiu cheio de uma lógica esquisita.

'ok, o alcool me tornou adulta. me poupe, voce não me conhece e eu enjoaria de voce tão rapido quanto da rotina de dois dias. agora corta essa, a gente tá bem.' ela terminou.

'a gente teria sido feliz.' ele repetiu, parecia que tinha arranhado o disco. ou não queria passar a música.

'a gente é feliz. só que separados.' e ela seguiu seu caminho saltitando pelo corredor vazio, feliz.

sobre alguém que é feliz porque pode saltitar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca