domingo, 15 de fevereiro de 2009

borboletas


ela olhou para o grande espelho colocado a um canto de seu quarto, parecia que estava de mudança. jogou-se na cama, ligou o som com o controle remoto e apagou a luz, deixando por pistas somente as notas musicais. brincou com seus longos cabelos lisos por algo que ela julgou serem minutos mas na verdade eram horas - ah, ela era tão vaidosa...

sentou-se à beira da cama e concluiu que estava na verdade à beira do abismo: colocar o pé no chão era dar um salto gigantesco, ela ia se machucar tanto! mas se ela fosse ainda pequenina, estaria tudo bem, ela adorava vestir sua fantasia de borboletinha amarela.
'mamãe, eu sou uma artista, sabia?' lembrou-se de dizer pra mãe quando não tinha mais que 7 anos.
'ah, minha filha. a arte vem do sentir, e sentir dói demais...' a mãe respondeu.
foi aí que ela concluiu que a dor era bonita. quase tão bela quanto uma borboleta amarela...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca