quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

é sempre assim

era noite. talvez não-tão noite como em tempos anteriores. mas já estava escuro. ela sentia uma incontrolável força brotando em seu peito, ela estava ficando indestrutível de novo - acho que estava ficando maníaca de novo... droga.



'e aí, alguma novidade?' a janela de messenger surpreendeu-a. ela estava divagando sobre algo que ela nem sabia o que era.



'nada que voce queira saber ou já não saiba...' ela concluia que conhecer alguem a tanto tempo limitava e muito o alcance das novidades, nada mais era novidade ou imprevisível vindo de alguem que se conhece a tanto tempo... 'e voce?'



'ah, nada de novo :/ mas descobri que sou manipulador e maquiavélico.' ele comentou furtivamente. 'mas sem mais perguntas.' ele a cortou antes que ela começasse o interrogatório.



'ah, nada que eu já não soubesse. mas não conta pra ninguém.' ela retrucou, parecia mais cibernética que nunca, distante...



'o que voce ta fazendo aí?' ele quis saber, nao era da natureza dela ser sucinta ou poupá-lo dos interrogatórios.



'ah, trabalhando um pouco na imagem da empresa. mas to com bloqueio criativo. e voce?'



'ah, pensando na vida.'



'hm. e o que voce conclue?' ela estava sem paciencia até para ela mesma.



'nada, cara.' como se ela nao soubesse a resposta, ele pensou.



'é sempre assim.'

'ah, eu voltei a fumar.' ele não surpreendeu.

'ah, é sempre assim.' e ela sentiu que estava losing it, mas ainda assim se sentiu indestrutível.

conformidades sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca