segunda-feira, 8 de setembro de 2008

vai.


'ow. tá tudo acabado.' ela escreveu. rápido, seco, ácido.


'porque? me desculpa!' ele agora era rápido.


'não dá mais, ...' ela agora vacilava. ele estava ali.


'não vamos terminar assim... vamos conversar?' ele tentava, jurava que sim.


e em minutos ele estava ali, a seu lado. e o silencio mais forte que nunca, mais a prova de cotidianos e relatos rotineiros que nunca.


eles estavam ali, sentados a beira do abismo. e ela sabia mais que nunca que ele não sabia voar.

Um comentário:

  1. aiuehaiuhea

    Tudo o que escrevo sempre tem um pouco de mim, embora alguns exista quase nada de mim e quase tudo dos outros. Observo muito as pessoas e escrevo, unicamente, o que percebo nelas ou, por hábito, em mim.

    O seu texto?...pra variar:excelente!

    beijos!

    ResponderExcluir

deixa tua marca