segunda-feira, 29 de setembro de 2008

'e a cidade me ama.'


as madrugadas incessantes, o desgaste emocional. ela estava cansada como nunca esteve, mesmo que há muito tempo não fizesse muita coisa além de observar calmamente a vida passar: e como ela passava rápido, parecia que a atropelava.


tudo que ela desejava era ter feito do talvez um não - ou quem sabe um sim. mas ela começava realmente a pensar que o seu crime seria ao mesmo tempo sua pena.

sobre prisões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

deixa tua marca