quinta-feira, 21 de agosto de 2008

o amar é pra quem não acredita em amor,

'psicólogos não casam... eles se dedicam demais aos estudos, às pesquisas...' alguém retrucou na sala.

'tudo um povo amargurado, doido...' ela fez mais uma de suas infinitas gracinhas.

'nããããããão' cortou o rapaz que estava sentado em frente a um dos computadores sem mexer no computador 'eles casam entre si' concluiu como quem soubesse algo que as duas não soubessem.

'sério? ah, agora tenho esperanças...' a primeira disse.

a outra ignorou.

***

'sabe, um dia eu quero seguir carreira academica.' ela disse decidida.

'eu também me interesso por isso...' ele respondeu alheio.

'imagina... os velhos decrépitos e amargurados que só estudam!' ela falou um tanto para si mesma. 'é...'

***

ela estava prestes a sair. ele estudava.

'... vamos nos casar?' ela disse de repente.



'?' ele pareceu não entender.

'é! já que a gente vai ser professor, a gente se casa entre si mesmo! assim não vão pensar que a gente é psicólogo encalhado...' e ela ficou imaginando o quão surreal isso seria.

'ah... tá...' ele respondeu sem acreditar na idéia. 'casar?' ele deve ter pensado.

'mas é de mentirinha! a gente põe as alianças e aí se alguem perguntar de quem é a gente fala que é casado um com o outro. se aparecer alguem que interessa a gente tira!' ela continuou sua idéia.

'ah... tá...' ele concordou ainda sem entender de onde a garota tinha tirado essa idéia.

'tchau.' e ela saiu saltitante da sala de reuniões.

antes da porta bater indicando que alguém saíra, uma cabeça aparece por trás da barreira que dividia as duas salas.

'em las vegas?' ela tinha voltado.

'?' ele olhou com cara de interrogação. como sempre fazia quando ela tinha um de seus surtos criativos. ela parecia rápida demais, louca demais, jovem demais, esperta demais, má demais. mas era apenas uma criança.

'é, casar em las vegas. sabe... ' ela explanou calmamente.

'ah... tá' ele respondeu um pouco confuso.

'então formou. tchau.'

ele esperou que alguém voltasse antes que a porta batesse. mas ela realmente tinha ido agora.

mais um dos eternos diálogos entre a psicótica e o psicólogo.

2 comentários:

  1. esse aih eu curto! sao varios dos meus dialogos q acotnecem qdo tao na universidade

    ResponderExcluir

deixa tua marca